E-sports vira método pedagógico para ensinar inglês. Forma até professores.

E-sports vira método pedagógico para ensinar inglês. Forma até professores.

Compatilhe nas redes sociais: Array

Os pais matriculam os filhos no inglês pensando no futuro. Imaginam eles executivos de uma multinacional ou, pelo menos, uma vantagem no mercado de trabalho.

Entre os estudantes, nem sempre a motivação é essa. Cada vez mais existe quem vai para aula porque quer destruir castelos inimigos, pilotar helicópteros, combater ou praticar crimes e todas as possibilidades que os E-Sports oferecem.

Talvez o tema gere preconceito para muitos, mas videogames podem ser um método pedagógico de aprender inglês. Quem atesta é Carlos H. Rutz, Coordenador Pedagógico Regional British and American em Santa Catarina.

Ele conta que nos últimos seis anos contratou cerca de dez professores que tiveram contato com jogos online a ponto de influenciar positivamente suas carreiras. ”Hoje em dia, os jogos não deixam mais o praticante de maneira passiva com relação ao que acontece na tela, nem mesmo apenas apertando botãozinho.

Vários jogos são cooperativos e requerem conversas em tempo real através de microfones e a exposição é tão grande que, mesmo sem aprendizado formal, eles acabam aprendendo o idioma meio que universal no mundo dos games, o inglês.” O cenário é ainda mais forte quando se observa o crescimento dos E-Sports.

Jogos como League of Legends e SC:GO são em inglês e a comunicação entre os jogadores do mesmo time é em inglês. O uso de palavras no idioma é comum até em atletas amadores. E isso aumenta a capacidade de aprender e ensinar o idioma.

Com a autoridade de quem dirige escolas em quatro cidades catarinenses, Carlos conta que o nível de proficiência dos professores-gamers é bom. Acrescenta que eles têm algumas peculiaridades. A capacidade auditiva é muito aguçada porque precisam reagir aos comandos dos outros jogadores para que a estratégia da equipe funcione. “Eles falam inglês com pouquíssimo ou nenhum sotaque do português.

O fato de a pronúncia precisar ser clara e com bom volume nos jogos faz com que eles acabem sendo facilmente compreendidos pelos alunos. Claro que não é uma regra, mas a gente percebe características semelhantes nos alunos que são gamers”.

Felipe Pereira Do UOL, em São Paulo

Fale Conosco!
WhatsApp